Estrutura do Projeto


Plano de Ação 1 (PA1) - Gestão do Projeto


PA 2 - Levantamento de indicadores de processos de degradação de áreas sob pastagens em diferentes biomas do território brasileiro. Estabelecer conceitos sobre os processos de degradação de pastagens e suas causas dentro dos contextos sociais, econômicos e ambientais de cada bioma avaliado. Esse conjunto de informações será então avaliado para a identificação de indicadores de degradação de pastagens potencialmente passíveis de serem espacializados.


PA3 -  Definição de áreas de estudo e áreas de referência, coleta de dados de campo e monitoramento territorial dos processos de degradação de pastagens. Organizar a coleta de dados no campo, e disponibilizá-los da forma mais eficiente para que os demais planos de ação do projeto possam desenvolver suas próprias atividades. A degradação de pastagens resulta de um conjunto de interações ao longo do tempo, entre práticas de agricultores e condições do meio físico. Ambos variam também no espaço, conforme dinâmicas territoriais (organização de cadeias produtivas, mudanças sócio-econômicas, difusão de inovações, etc).


PA4 -  Padronização, organização e integração de diferentes tipos de dados em uma base única de informações. Desenvolver uma metodologia para a padronização de dados cartográficos, que possibilite a integração e análise de diversos planos de informações provenientes de fontes e formatos distintos. A padronização dos dados cartográficos prevê o uso da metodologia sugerida pela CONCAR, onde as informações geradas pelos planos de ações 2, 4, 5 e 6 serão organizadas e integradas em uma base de dados única, servindo de suporte para as atividades do plano de ação 7. Este plano de ação utilizará uma estrutura de armazenamento dos dados espaciais que facilite seu acesso remoto, via intranet, através de um servidor de dados espaciais.


PA5 -  Uso de dados multiespectrais de plataformas orbitais como ferramenta na discriminação de níveis de degradação de pastagens. Imagens de sensores remotos orbitais serão utilizadas para obter informações nas áreas de estudo definidas no plano de ação 2. Serão avaliados os valores de refletância da superfície, índices de vegetação (NDVI e SAVI), índices de infravermelho relacionados à umidade contida na vegetação, medidas da homogeneidade espacial da cobertura vegetal, e análises das frações da cobertura, obtidas pela análise de mistura espectral. Será avaliada a relação destes índices com o nível de degradação das pastagens nas áreas amostrais, de forma a gerar regras e critérios capazes de discriminar o grau de degradação das pastagens a partir das imagens de sensores remotos.


PA6 -  Uso de séries temporais de imagens de satélite (índices de vegetação) para a caracterização de degradação de pastagens. Avaliar o potencial do uso de séries temporais de índices de vegetação (IV) do sensor MODIS como ferramenta para a identificação e monitoramento de pastagens degradadas nas áreas de estudo. Será testada a hipótese que pastagens com determinados níveis/tipos de degradação apresentem padrões nos perfis temporais de IV que possam distingui-las das áreas não degradadas.


PA7 - Mapeamento espaço-temporal da biomassa vegetal de áreas sob pastagens com uso imagens orbitais em diversos biomas brasileiros. Com intuito de subsidiar o desenvolvimento e/ou aplicação de metodologias que possibilitem a identificação dos níveis de degradação em extensas áreas de pastagem, este plano de ação se fundamenta principalmente na aplicação de imagens orbitais de baixa e média resolução espacial (Modis, Landsat, Aster, etc). A biomassa vegetal aliada a outros parâmetros biofísicos pode ser um bom indicador do vigor vegetativo e, conseqüentemente de aspectos relacionados à degradação das áreas sob pastagens.


PA8 -  Obtenção de indicadores espacialmente explícitos por meio de planos de informações geoespaciais. Contribuir para o desenvolvimento de tecnologias para o uso sustentável de áreas degradadas a partir da obtenção de indicadores gerados pelo cruzamento entre os planos de informações e os diferentes níveis de degradação observados em campo. Para isso, este plano depende fortemente da integração com todos os planos de ação, especialmente do PA 1 (Levantamento de indicadores de processos de degradação de áreas sob pastagens em diferentes biomas do território brasileiro) e o PA 3 (Padronização, organização e integração de diferentes tipos de dados em uma base única de informações).